Restauração de ecossistemas pode gerar 2,5 milhões de empregos diretos

Estudos indicam como a restauração da natureza pode ser uma das principais conexões entre desenvolvimento socioeconômico e a conservação da natureza no Brasil.



Uma das principais soluções para os problemas ambientais é a restauração dos ecossistemas, como exemplo, o sequestro de carbono da atmosfera e a formação de habitat para a biodiversidade. Além disso, a restauração tem uma relação direta com o bem-estar da sociedade e das gerações futuras, e pode ser um dos principais elos entre o desenvolvimento socioeconômico e a conservação da natureza.


Buscando o cumprimento da Agenda 2030, através dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), a ONU declarou esta década (2021 e 2030), como a “Década para a Restauração de Ecossistemas”. Desta forma, prevenindo, detendo e restaurando a degradação dos ecossistemas em todo o planeta, incluindo ecossistemas terrestres, marinhos e aquáticos.


Segundo um estudo detalhado do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), há uma relação direta e indireta entre a restauração de ecossistemas e todos os 17 ODS. A restauração garante, por exemplo, a provisão direta de alimentos, água e outros recursos em ecossistemas restaurados, assim como serviços ecossistêmicos essenciais à agricultura e à saúde e ao bem-estar das pessoas.


Impacto econômico


Ainda, a restauração dos ecossistemas influencia positivamente a economia, promovendo a geração de renda e empregos. De acordo com o Site Ciclo Vivo, um estudo recente mostrou que a cadeia produtiva da restauração gerou 8.223 empregos diretos no Brasil em 2020, sendo 43% permanentes e 57% temporários. Os empregadores eram principalmente organizações sem fins lucrativos (48%) e empresas privadas (37%).


Com os dados desse estudo, os pesquisadores estimaram que o Brasil criaria entre 1 e 2,5 milhões de empregos diretos para cumprir seu compromisso com o Acordo de Paris (12 milhões de hectares), principalmente em áreas rurais.


Segundo uma das autoras do estudo, Ludmila Pugliese, “com a restauração, o Brasil pode desenvolver uma economia de baixo carbono inclusiva e com a geração de empregos e renda no meio rural”.


A Década da Restauração de Ecossistemas é um chamado global para reverter a situação de degradação, sensibilizar a sociedade e criar sinergias entre os diferentes setores.


“A natureza é a nossa fonte de inspiração!”


Fontes:

www.ciclovivo.com.br

www.brasil.un.org/pt-br


4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo